Extrabom Supermercados Extrabom Supermercados Ir para o ecommerce
Você Sabia?

Logística reversa

27 de fevereiro de 2020

Atualmente, e após a PNRS – Política Nacional de Resíduos Sólidos (estabelecida pela lei 12.305 de 2/08/2010), a logística reversa tem uma definição muito clara: ela é um “instrumento de desenvolvimento econômico e social, caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”.

São inúmeras as vantagens da PNRS, tanto no aspecto econômico quanto no social. Afinal, ela permite economia nos processos produtivos. Estes resíduos criam uma rede de reciclagem, entrando novamente na cadeia de produção, substituindo parte da matéria-prima original e possibilitando o retorno destes resíduos para as empresas de origem. Assim, evita-se poluir ou contaminar o meio ambiente (rios, mares etc). Além disso, a lei estabelece um sistema de responsabilidade compartilhada entre governo, empresas e consumidores, sendo todos responsáveis pela destinação dos resíduos.

Este tema está diretamente ligado à sustentabilidade e à preservação do meio ambiente. Por isso, torna-se ainda mais importante nos tempos atuais. Muitas empresas vêm adotando a logística reversa em função das suas políticas de responsabilidade ambiental.

No Extrabom, várias iniciativas foram criadas neste sentido, mesmo antes da presença da lei. A empresa realiza coleta e remessa/destinação de pilhas e baterias, as quais são recebidas nas lojas e destinadas para os fabricantes. Também sofrem logística reversa plástico e papelão, que são prensados e recolhidos, em parceria com a empresa Plasfer de reciclagem. Ao mesmo tempo, realiza-se o recolhimento de pallets, vasilhames e embalagens retornáveis, os quais são transportados para o centro de distribuição e reaproveitados pelos fornecedores.

Neste contexto, todos temos contribuições a ofertar no processo, já que, como consumidores, devemos devolver nos postos de coleta os produtos que não serão mais usados. Os comerciantes devem instalar e divulgar os locais de coleta. Às indústrias, cabe recolher os produtos e destiná-los à reutilização ou ao descarte adequado, nos casos de produtos não recicláveis. Por fim, ao governo cabe promover campanhas para conscientização dos consumidores.

Bibliografia

Brasil. Lei Nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Lei de resíduos sólidos.

Diário Oficial da União – Seção 1 – 3/8/2010, Página 3 (Publicação Original)

Logística Reversa, Meio Ambiente e Competitividade

Autor: Leite, Paulo Roberto

Editora: Prentice Hall Temas: Meio Ambiente, Logística, Administração